Gostou do nosso site?
Então curta!

Vai que Dá Certo » Críticas

Estreia: 22 de março de 2013
Assista ao trailer Comentários0 Acessos 279
Marcar 'favorito' (precisa estar logado)1Marcar 'quero ver' (precisa estar logado)0Marcar 'já vi' (precisa estar logado)14Marcar 'não tenho interesse' (precisa estar logado)0
63
T-Kritz
Baseada em 11 crítico(s)
Consenso: o filme é bom, mas...
Incorporar T-Kritz
Após fazer sua seleção, copie e cole o código de incorporação acima. O código muda de acordo com a seleção.
Padrão Pequeno
Minha Avaliação
0102030405060708090100 Escreva uma crítica (precisa estar logado) Deixe um comentário (precisa estar logado)

Críticas

11 críticas

Humor idiota estereotípico não é para qualquer um, mas quem sabe apreciá-lo talvez dê com Vai Que Dá Certo algumas risadas.

Vai Que Dá Certo é uma comédia de erros cheia de acertos, que diverte sem apelação e com humor de qualidade. É ponto final. E para o cinema nacional.

Com clichês, exageros ou bobagens quaisquer, é uma trama divertida, com bons atores que tem a capacidade de nos envolver naquela confusão e nos fazer embarcar na trama, por mais absurda que pareça. Afinal, Vai Que Dá Certo.

Vai que Dá Certo conquista graças ao elenco e encontra espaço para acrescentar o gancho da possível e bem-vinda continuação. Agora, só resta torcer para que as próximas comédias partam deste exemplo e façam o dever de casa, é o mínimo que esperamos.

A dedicação e o tempo dedicado ao roteiro fez a comédia funcionar a contento. Ao subir dos créditos tem-se aquela sensação de enlevo advinda do riso.

Para o cinema brasileiro atual, acostumado a mostrar a miséria do ponto de vista das favelas, invadir com humor o ambiente urbano do cidadão comum é uma tentativa bem-vinda.

O filme apostou demais no talento inegável de alguns integrantes dessa nova e bem-vinda geração de comediantes, mas tornou evidente que isso não basta para se fazer uma boa comédia.

Comédia de erros acerta o tom ao falar para geração dos trinta e poucos anos.

Com impressionante timing para a comédia de erros, o elenco veste a camisa dos personagens com talento apurado. Vale um elogio à parte: os atores cariocas aprenderam a falar o “paulistanês” direitinho.

O melhor é que, em tempos que o humor tem que superar as amarras do politicamente correto sem cair no grotesco, Vai que dá certo consegue ser engraçado sem apelar.

Após superar um vergonhoso primeiro ato, a produção prova-se mais divertida e original do que a maioria dos últimos lançamentos nacionais do gênero, ainda que não se livre das obrigações comerciais.