Gostou do nosso site?
Então curta!

Na Neblina » Críticas

Estreia: 01 de março de 2013
Assista ao trailer Comentários0 Acessos 78
Marcar 'favorito' (precisa estar logado)0Marcar 'quero ver' (precisa estar logado)0Marcar 'já vi' (precisa estar logado)6Marcar 'não tenho interesse' (precisa estar logado)0
73
T-Kritz
Baseada em 6 crítico(s)
Avaliações geralmente favoráveis.
Incorporar T-Kritz
Após fazer sua seleção, copie e cole o código de incorporação acima. O código muda de acordo com a seleção.
Padrão Pequeno
Minha Avaliação
0102030405060708090100 Escreva uma crítica (precisa estar logado) Deixe um comentário (precisa estar logado)

Críticas

6 críticas

Loznitsa desloca a rivalidade entre nações para fora do quadro, focando no dilema de conterrâneos confrontados com conceitos de heroísmo e traição, mas a narração contemplativa compromete o impacto da proposta.

A medida que cada personagem vai sendo revelado a nós, vamos tomando consciência do inevitável beco sem saída para o qual Sushenya caminha. Um estrada que se fecha dado as circunstâncias dos fatos, onde suas esperanças de honrar sua dignidade se vão como covardes soldados a abandonar à morte um de seus companheiros.

Para o diretor, não há quem esteja certo ou errado em sua dura visão de uma guerra sem nenhum resquício de solidariedade. E o fabuloso ator Vladimir Svirsky traduz apenas no olhar a tristeza infinda de uma situação-limite.

O cineasta elabora um relato moral que evoca o melhor da literatura russa, com toques entre Dostoievski e Tchecov, e que tira muito bom partido de um elenco quase todo pouco experiente, caso inclusive do magnético protagonista Vladimir Svirskiy.

Se por um lado Loriztsa é bem-sucedido na tarefa de inserir o espectador no universo diegético do longa, por outro, as dificuldades de seu roteiro de estabelecer um arco dramático bem definido ao qual possamos nos apegar enfraquece a narrativa e nos distancia daqueles homens agonizantes.

Sem ser hermético nem pretensioso, o filme tem o mérito de dedicar o amplo domínio cinematográfico do seu diretor a uma história complexa, pensada sempre em função do espectador. É justamente isso, no fim das contas, que se espera de toda grande obra.